sexta-feira, 27 de abril de 2007

MSN - ONLINE



Para os que possuem contas nos Gmail, MSN, Yahoo, AOL e não quiserem instalar os devidos programas instantâneos de mensagens acesse http://72.232.16.75.

Lá você poderá se logar e bater o seu papo sem o uso de programas instalados no seu sistema.

MSN - ONLINE
ENDEREÇO: http://72.232.16.75

OWC - 200GB - SATA USB

OWC Now Offers 200GB Drive
Enclosures with eSATA Port






Other World Computing (OWC) continues to roll out these attractive antiperspirant container-like enclosures with 2.5-inch drives shoehorned inside, taking its three-way drive we mentioned a couple of weeks ago to the next level with external SATA (eSATA) connectivity. Available in capacities from 80GB to 200GB, we'd recommend that 160-gig model ($260) that spins at 7200RPM.

The downside?

These much-faster (1.5Gbit/s for eSATA vs. 480Mbit/s for USB 2.0) eSATA ports aren't bus powered, so you'll have to plug in a wall wart for power. But if you want to avoid that, go with its USB 2.0 bus-powered port that lets you connect it with just a USB cable.

We have one of these OWC acrylic enclosures here, and actually like its clean, crystalline appearance, but we long for that internal hard disk-like eSATA speed.

PHILIPS X200

Philips X200 Hoists
Its Screen for the Brits





Philips isn't exactly the first brand that comes to mind when you think of laptops, but their upcoming X200 Ultra Portable actually looks pretty nice. It's got some pretty standard specs, such as a 1.73GHz Core Duo U2500 processor, a 100GB HDD, and 1GB of RAM, but what really makes it stand out is its Flybook-esque screen riser. It hoists the 12.1-inch widescreen LCD up to a bit closer to eye level, which keeps you from hurting your neck while you work. Oh, and it also has a 1.3-megapixel webcam built into the screen.

The Philips X200 Ultra Portable is shipping now to the U.K. for £850, or $1,700. No word on it hitting American shores, but we can hope. –Adam Frucci

INTERNET ELÉTRICA

Porto Alegre testa internet
por rede elétrica


A Prefeitura de Porto Alegre está testando uma tecnologia que usa a rede elétrica para distribuir acesso à web.

Chamada de Power Line Communication (PLC), a tecnologia baseia-se na instalação de um cabo de fibra ótica que transmita o link de internet até uma subestação de energia. A partir daí, a distribuição do sinal ocorre usando o cabeamento elétrico.

Em Porto Alegre, a Procempa (empresa de TI da prefeitura) instalou o link em uma subestação e está transportando o sinal por 3,5 km de distância. O sinal web trafega em média tensão pela rede elétrica e amplificadores instalados a cada 500 metros garantem a manutenção da qualidade do sinal ao longo da rede.

Por enquanto, o sinal é utilizado quase que só por órgãos da Prefeitura no bairro de Restinga, periferia da cidade. A rede fornece acesso à web para o escritório administrativo, uma escola e um posto de saúde na região.

A exceção fica por conta da praça central do bairro. No local, a Prefeitura instalou um roteador que distribui sinal Wi-Fi. Nesta região, o acesso é possível por qualquer usuário que tenha equipamento com conexão sem fio.

De acordo com a Procempa, a rede pode trafegar dados a velocidade de 45 megabits por segundo.

A PLC é considerada um meio econômico de construir redes porque usa infra-estrutura já existente, no caso, a rede elétrica.

De acordo com o Jornal do Brasil, em São Paulo a companhia Eletropaulo também testa a criação de redes PLC para distribuir acesso à internet.

terça-feira, 17 de abril de 2007

VACA TRANSGÊNICA

Vaca transgênica pode
produzir leite com insulina

Uma empresa privada de biotecnologia anunciou nesta terça-feira, em Buenos Aires, o nascimento das primeiras quatro vacas transgênicas criadas na Argentina para a produção de insulina a partir do leite para uso no ser humano. O projeto terá grande impacto entre os diabéticos.




As vacas são quatro bezerras da raça Jersey, nascidas entre fevereiro e março de 2007, que possuem em seu material genético o gene precursor da insulina humana, informou Andrés Bercovivh, gerente de desenvolvimento tecnológico do laboratório Biosidus. As novilhas integram a dinastia denominada Patagonia, o primeiro gado transgênico desenvolvido no curral farmacêutico do laboratório.

Lá são desenvolvidas pesquisas para a produção de medicamentos com alta tecnologia a custos baixos, informaram os diretores da empresa em entrevista coletiva na Sociedade Real, a instituição que a cada ano sedia a mais tradicional exposição agropecuária do país. A produção local de insulina a partir de leite de vaca permitirá reduzir em "não menos de 30%" o custo do hormônio no mercado, disse o diretor-executivo da empresa, Marcelo Criscuolo.

Mas o leite que estas vacas transgênicas produzirão é uma etapa intermediária na elaboração da insulina, pois em seguida será necessário um processo de isolamento e purificação do leite em escala industrial. No entanto, o volume de produção de 25 vacas será suficiente para atender toda a demanda por insulina humana que hoje a Argentina precisa importar.

Segundo o laboratório, o país tem 1,5 milhão de diabéticos, dos quais 300 mil são insulino-dependentes. Cerca de 200 milhões de pessoas sofrem de diabetes no mundo, mas este número dobrará nos próximos 15 anos, com um mercado global de insulina que movimenta US$ 5 bilhões.

Estima-se que em um prazo de três anos será obtido o primeiro macho transgênico com o gene da insulina, o que permitirá a expansão da espécie, informou Carlos Melo, gerente de Projetos Especiais do laboratório. No mesmo período, serão realizados testes de segurança exaustivos para cumprir os requisitos regulatórios indispensáveis para a aprovação do produto.

À espera de seu crescimento e amadurecimento, as bezerras estão alojadas sob cuidados extremos no curral farmacêutico que a empresa possui na localidade de Baradero, 140 km ao norte de Buenos Aires. Os cientistas afirmam que a Argentina oferece o "cenário adequado e seguro" para o desenvolvimento das vacas transgênicas, em vista da vantagem comparativa no campo, com sua experiência e conhecimento adquirido no setor pecuarista.